top of page

A consciência e a falta de consciência


Fátima Ferreira, militante fundadora do MNU, com o filho Samoury nos braços, durante Caminhada por Zumbi no centro de São Paulo, no 20 de novembro de 1979 — Foto: JESUS CARLOS/via BBC
Fátima Ferreira, militante fundadora do MNU, com o filho Samoury nos braços, durante Caminhada por Zumbi no centro de São Paulo, no 20 de novembro de 1979 — Foto: JESUS CARLOS/via BBC

Primeiramente deixo minha saudação a todos os meus ancestrais pretos e pretas que vieram antes de mim e que travaram lutas para que eu pudesse estar aqui hoje escrevendo este artigo sobre a Consciência Negra, ou melhor sobre a falta dela. Salve Aqualtune, Tereza de Benguela, Dandara, Luisa Mahin, Nã Agontimé, Zumbi dos Palmares, Luiz Gama, Francisco José do Nascimento ( Dragão do Mar), Quintino de Lacerda e Cosme Bento (Negro Cosme).


Vale lembrar que a abolição da escravidão no Brasil, “Não veio do céu, nem das mãos de Isabel”, cito esta expressão devido a história tentar nos empurrar que a princesa Isabel teve o papel formal de assinar a abolição da escravatura no Brasil, fazendo isso num ato de bondade mas a verdade é que a abolição só veio através de muita luta do movimento negro, composto por muitos nomes que a história tentou apaga. Mesmo abolida, ainda houve muita luta, pois os negros libertos foram abandonados á própria sorte.


Nosso País precisa evoluir, dia 20 de novembro é marcado como o dia da Consciência Negra, dia em que Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares foi morto e teve sua cabeça decepada e exposta em praça pública em Recife pelo então governador.


A luta pela igualdade racial é longa, e nenhuma das conquistas obtidas até hoje foi sem luta. A escravidão no Brasil durou 388 anos. Pessoas, famílias, crianças foram sequestradas de suas terras e trazidas para nosso País, tiveram todos os seus direitos violados, aliás vale lembrar que a economia do Brasil era ligada a escravidão, portanto o tráfico de escravos era um negócio explorado de maneira cruel por nosso País, que também foi um dos últimos Países das Américas a abolir a escravidão depois de muita pressão dos movimentos negros.


Já são mais de 135 anos do fim da escravidão, pouco mais de um terço dos 388 anos de escravidão no País. Avançamos, mas falta muito, um longo percurso para que possamos alcançar a equidade nesse País, foram 388 anos de direitos cassados, não seriam 135 anos suficientes para que os direitos sejam equiparados.


Consciência e a ausência da consciência negra


Abolição da escravatura completa 135 anos. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Abolição da escravatura completa 135 anos. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Falta a Consciência Negra no povo brasileiro, falta entender nossa luta e parar de menosprezá-la, porque enquanto:


Pessoas pretas sofrerem com crimes de racismo e os criminosos nada sofrem, nosso avanço será pouco;


Pessoas pretas tiverem seus rostos em livros de reconhecimento policial simplesmente por serem pretas não avançaremos;


O padrão para as abordagens policiais for a cor da pele preta, não avançaremos;


Formos seguidos e até mortos nos supermercados por sermos pretos, não avançaremos;


Crianças pretas sofrerem com atos racistas dentro de escolas, não avançaremos;


Nossa cor da pele nos impedir de alcançar os principais postos de trabalho, não avançaremos;


Enquanto você leitor(a) não tiver consciência de que não precisa ser preta (o) para ser antirracista, não avançaremos.


Avançaremos no dia em que toda a sociedade entender que há uma dívida histórica e que ela ainda não foi paga, pois há uma gigantesca ponte que separa pretos e brancos em vários sentidos, principalmente a ponte das desigualdades sociais e salariais.


No dia em que a sociedade passar a condenar de maneira firme cada ato racista cometido neste País e que cada criminoso que comete racismo seja preso com toda a severidade da lei, quando a ocupação de cargos de decisão tenham a real cara do Brasil e não apenas engravatados brancos, quando o parlamento refletir nosso País, aí sim avançaremos.


Convido a você leitor a refletir sobre cada ponto elencado neste artigo e se juntar a luta antirracista neste País, e aproveito para lembrá-los de que é preciso ter Consciência Negra todos os dias.



Texto escrito por Ivo Mendes

É ativista e militante há mais de 12 anos em pautas antirracistas e no combate às desigualdades sociais no Brasil. Retirou o medo do seu vocabulário, por isso é um sonhador por essência e entusiasta por sobrevivência. Formado em Gestão da Tecnologia da Informação, passou pela vida política da Baixada Santista e atualmente trabalha na área administrativa e integra a equipe de colunistas do Portal Águia.



Revisão: Eliane Gomes

Edição: Eliézer Fernandes

 

Fontes





Comments


bottom of page