top of page

Migrações: A mídia e a formação da opinião pública

As sociedades atuais encontram-se em constante desenvolvimento, procurando adaptar-se as novas realidades. Não digo apenas as mudanças políticas, crises econômicas e sociais, mas também ao novo contexto que emerge.


Migração: o novo normal da humanidade

O fato de que as nações se tornam cada vez mais interdependentes faz com que a migração seja uma realidade para levar-se em consideração, embora não seja um fenômeno novo, e parecer acelerar progressivamente como resultado do processo de integração global.





Nesse processo, os movimentos migratórios produzem o aumento da diversidade de muitas sociedades, configuram um ambiente social caracterizado pela pluralidade cultural, religiosa e étnica.


As migrações são vistas como ameaça desde a concretização dos Estados Nacionais, de modo que apresentam um perigo externo devido ao fluxo constante de pessoas, o que gera medo da alteridade, da diferença daquilo que não é entendido como idêntico a si mesmo.


É possível ver essas ameaças refletidas em baixos níveis de aceitação e tolerância, como também é possível encontrar no Survey Gallup publicado no portal de migrações. Esses dados indicam que a migração é uma questão política cada vez mais importante.


A exposição a informações é importante para explicar as atitudes de aceitação ou rejeição sobre a imigração e o assunto passou a fazer parte da pauta dos meios de comunicação, principalmente da imprensa escrita. Por isso, os frames selecionam alguns aspectos de uma realidade e os tornam mais salientes para promover a definição de um problema particular ou interpretação causal.


A mídia na cobertura de migrações


As notícias têm um efeito e sugerem uma interpretação específica da questão definida para o indivíduo, processo geralmente chamado efeito do enquadramento. Com ele, podem-se ver as mudanças nas opiniões das pessoas e um dos mais utilizados apresenta aos imigrantes como uma ameaça à sociedade anfitriã ou como vítimas.


Migração e cobertura midiática

A cobertura das notícias sobre migração desempenha um papel importante, sendo que, além de moldar a percepção do público, é a principal interface pela qual os nativos de determinada região tenha contato com as narrativas sobre os imigrantes. Em relação a eles, temos dois tipos de enquadramentos.


1º - Os enquadramentos episódicos: levam a uma compreensão limitada do assunto. São aqueles que colocam o foco no indivíduo e não na problemática a ser analisada, produziriam que as pessoas tenham opiniões de rejeição para com os imigrantes e, ao contrario;


2º - Os enquadramentos temáticos: aqueles que têm informação mais contextualizada, fariam com que os locais aceitassem os imigrantes, já que estes compreenderam o fenômeno da migração além das transgressões.


A formação da opinião pública


É necessário sinalizar que o estudo do enquadramento é importante, porque afeta as atitudes e comportamentos das audiências. Quando a informação é apresentada com mais detalhes, as pessoas recebem uma mensagem mais completa e sua reação é mais racional e, neste caso, de maior aceitação.


Em caso contrário, quando o conteúdo é centrado os detalhes, sendo de caráter mais sensacionalista, as pessoas serão induzidas a reação mais emocional e próxima a rejeição dos imigrantes.


Pode-se concluir que as perspectivas dos diferentes enquadramentos vão influenciar o processo pelo qual as pessoas vão formar sua opinião em relação às migrações.


Mas o que acontece quando as pessoas recebem a mesma notícia com o enquadramento oposto?


Será que elas mudam sua opinião em relação à primeira?



Texto escrito por Soledad Bravo

Escritora, editora e coordenadora da equipe "La Nación" no Observatório de Política Exterior Argentina (OPEA) e membro da Rede de Cientistas Políticas. Além disso, tem uma extensa carreira na área acadêmica; tem Licenciatura em Ciência Política, Doutoranda em Ciência Política (UFPE), Magister Internacional em Gestão de ONGs, Gestão de Voluntariado e Cooperação Internacional (Centro UNESCO) e é Bolsista da Organização dos Estados Americanos (OEA). Ama o Twitter e para encontrá-la pela rede procure por: @sooledadbravo


 

Bibliografía consultada:


BAENINGER, R. (2018). Contribuições da academia para o pacto global da migração: o olhar do sul. Migrações Sul-Sul. Campinas, SP: Núcleo de Estudos de População―Elza Berquo‖–Nepo/Unicamp.


BOOMGAARDEN, H. G., & VLIEGENTHART, R. (2009). How news content influences anti‐immigration attitudes: Germany, 1993–2005. European Journal of Political Research, 48(4), 516-542.


BOS, L., LECHELER, S., MEWAFI, M., & VLIEGENTHART, R. (2016). It's the frame that matters: Immigrant integration and media framing effects in the Netherlands. International Journal of Intercultural Relations, 55, 97-108.


BRADER, T., VALENTINO, N. A., & SUHAy, E. (2008). What triggers public opposition to immigration? Anxiety, group cues, and immigration threat. American Journal of Political Science, 52(4), 959-978.


CHONG, D., & DRUCKMAN, J. N. (2007). A theory of framing and opinion formation in competitive elite environments. Journal of communication, 57(1), 99-118.


CHONG, D., & DRUCKMAN, J. N. (2007). Framing theory. Annu. Rev. Polit. Sci., 10, 103-126.


HAYNES, C.; MEROLLA, J.; RAMAKRISHNAN, SK. Inmigrantes enmarcados: cobertura de noticias, opinión pública y política. Fundación Russell Sage, 2016.


IYENGAR, S. Framing responsibility for Political issues: the case of poverty. Political behavior, v. 12, n. 1, p.p. 19-40, 1990.


IYENGAR, S. Speaking of values: the framing of American politics. The Forum, v.3, n. 3, 2005.


IYENGAR, S.; SIMON, A. News coverage of the Gulf Crisis and Public Opinion: a study of agenda setting, priming and framing. Communication Research, v. 20, n. 3, p.p. 365-383, 1993.


MAURÍCIO A. A percepção de conflitos em relação aos imigrantes e as atitudes face à imigração em Portugal. Dissertação de Mestrado. Universidade de Coimbra. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. UC/FPC 2016


MÜLLER, T. Migration, unemployment and discrimination. European Economic Review, 47, pp. 409-427. 2003


PROCTOR, J.L.; BADZINSKI, D.M.; JOHNSON, M. The Impact of Media on Kno wledge and Perceptions of Megan’s Law. Criminal Justice Policy Review, v. 13, n. 4, p.p. 356-379, 2002.


SALAZAR, K. Notícias sobre crimes e punitivismo: uma abordagem experimental. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco. 2019.


SOTIROVIC, M. Affective and cognitive processes as mediators of media influences on crime-policy preferences. Mass Communication Society, v. 4, n. 3, p.p. 311-329, 2001.




Kommentare


bottom of page